2016

30.12.16

Não vou fazer balanços. Termino 2016 com a sensação de que foi um ano bom mas com a certeza que passei ao lado de muitos dos objectivos traçados e das resoluções propostas. Foi também uma opção. Com um bebé pequenino e sem tempo para chegar a tudo, abrandar foi a escolha que se impôs e a que fazia sentido. O tempo era mais do que precioso (ainda é) e eu queria assistir de plateia a todas as primeiras graças, ditos e conquistas. Queria viver o mais devagar que conseguisse para ver se congelava no tempo os momentos que sabia que não voltavam a acontecer. Foi uma missão cumprida. Agora abre-se um novo ano e com ele novos projectos, objectivos e metas. Tenho a sensação que vai ser um ano meio louco, tenho muitas ideias que gostava de testar e experimentar, estou com muita vontade de fazer acontecer e confesso que estou bastante entusiasmada com tudo isso. Por estes dias vou continuar a recarregar a bateria para agarrar o novo ano com força. 
Resta-me agradecer a todos os que estiveram desse lado incondicionalmente, pelo apoio, pela paciência e pela simpatia. Vemo-nos em 2017, por aí e também por aqui, neste espaço que vai voltar a ser regular. 

Entrem com os dois pés.
Bom Ano!