É Natal na Tapada

10.12.15


A convite da Tapada Nacional de Mafra e da Save the Date, juntámo-nos à Vera e à Susana e fomos passar o dia à mais mágica de todas as Florestas Encantadas. À nossa espera estava o Pai Natal para um passeio no seu Comboio, uma envolvente que nos transporta para os mais deliciosos contos infantis, um almoço fabuloso na Casa de Campo e a Rosinha, um veado fêmea de olhos doces e que, reza a história, adora roubar bolachas. Tudo isto envolto nas mais bonitas árvores, com os mais compridos troncos e as mais torcidas raízes e na companhia de toda a fauna e flora que a Tapada Nacional de Mafra protege e dá a conhecer a quem a visita. Tudo baby friendly, testado e confirmado pelo meu Sebastião. 
Podia alargar-me em descrições, mas acredito que quando o tema é magia, há que senti-la. E há tanta por ali. Para ajudar, é Natal e a todos os animais da Floresta, juntaram-se Fadas, Duendes e outros seres mágicos, que espreitam atrás dos largos troncos à espera que o Comboio de Natal passe para darem um ar de sua graça. Deixo a dica: quem o quiser apanhar, tem os próximos dias 12, 13, 19 e 20 para o fazer e embarcar nesta aventura.
É Natal, é tempo de acreditar, e acima de tudo, numa altura em que a televisão e as tecnologias fazem com que surpreender crianças seja tão difícil e fazê-las acreditar em algo mágico mais ainda, vale a pena ver-lhes os olhos arregalados a brilhar, as cabeças a questionar e fazer tremer todas as certezas que do alto do seu palmo e meio de altura teimam em não largar.
Um obrigada à Tapada Nacional de Mafra e à Ana e Vera, pelo convite.

*créditos fotográficos | Susana Tavares

"tábuas-tecidas"

30.11.15

A praia pode ser um campo criativo com elevado potencial. Não falo em termos de inspiração, que também o é, falo em termos práticos. Quem gosta de praia no Inverno infelizmente já se deparou com todo o tipo de coisas encalhadas na areia, dos plásticos aos bonitos paus esculpidos pelo mar. Um dia destes, saí de casa para apanhar os tais bonitos paus, mas trouxe tábuas, pedaços de madeira naufragados pela praia. Decidi dar-lhes nova vida, transformando-os em "tábuas-tecidas", se é que isso existe. Estas que vos mostro agora são todas peças pequenas, que cabem numa mão. Podem ser penduradas, encostadas, servir de peças decorativas, de pisa-papéis...São acima de tudo peças que tenho gostado muito de desenvolver, não só pelo resultado mas também por todo o processo e são uma boa maneira de levar um bocadinho de praia para casa.

Ritmos

25.11.15


Não sei se a culpa é a falta de tempo, se a falta de vontade ou a capacidade de absorção. Talvez seja um misto de tudo ou então sou eu a perder qualidades. Uma coisa é certa, deixei de conseguir acompanhar o ritmo frenético das redes sociais, os posts dos blogs e os updates das contas de Instagram e de Facebook que seguia. Sinto-me num outro ritmo. Muito mais lento. Se calhar é da idade ou pode bem ser uma fase, mas a verdade é que o tempo cada vez estica menos e a forma como o aproveito cada vez conta mais e na hora de o usufruir, só me apetece desligar. O reflexo está também espelhado aqui, neste Blog, onde eu gostaria de escrever muito mais, mas que tem ficado pela intenção. À conta desta negligência têm ganho outros campos. De uma forma natural a minha lista de "conteúdos a ver/seguir" tem vindo a dividir-se em duas - os que espreito ou gostaria de espreitar todos os dias e os que passo ao fim de uma semana - mas parece-me que essa divisão não fica por aqui. Ao longo destes últimos meses eu mudei e alguns dos meus interesses e prioridades mudaram também. O problema não são vocês, sou mesmo eu que não consigo acompanhar o ritmo e que, confesso, passei a aborrecer-me de tédio com temas que até gostava. Não sei se esta mudança na caixa de velocidades é hormonal, se é a minha adaptação ao horário de Inverno ou se é efeito colateral da maternidade. Nem tão pouco sei se me irá passar. Por agora é o que é e até é bom!

*esta fotografia tem quase um ano, tinha um barrigão enorme e um Sebastião quase a nascer. esta semana completou 7 meses (!)




6 meses

10.11.15



Meio ano, dois para três dentes, nove quilos, uma dezena de refegos, as mãos e os pés mais queridos, os olhos mais doces e a melhor gargalhada do Mundo a iniciar cada novo dia. Um feitio que se adivinha refinado, uma energia que sobra e a sensação que não tarda muito, o sossego que ainda existia vai daqui para o espaço! 

Tecer, Amar, Viver

30.10.15

Estes três verbos podem muito bem descrever o que por aqui se passou esta semana. Não houve tempo para post's, porque o tempo não estica e entre Tecer, Amar e Viver, actualizar o blog acabou por ficar para depois. Escrevo hoje, que terminei esta peça - uma encomenda que tanto gozo me deu fazer -, que é mais um hino ao Amor, desta vez em tons terra com brilhos de um dourado velho. Dei-lhe o nome de "Mãe Natureza", porque achei que, entre o toque rústico do tronco que lhe serve de suporte e que despreocupadamente foi apanhado durante um passeio e as suas imperfeições, lhe ficava perfeito. Bom fim-de-semana!





Tapeçarias: yay or nay?

22.10.15

Todos temos uma costela de decoradores, nem que seja da nossa própria casa, mas a verdade é que a opinião de quem sabe faz toda a diferença e ao contrário do que por vezes se pensa, não torna um espaço impessoal. A Joana é designer de interiores, minha amiga e pessoa de muito bom gosto, por isso foi a ela que recorri para dar uma opinião aqui no Blog sobre o uso de tapeçarias nas paredes e sobre a tendência dos wall hangings, como podem ver exemplos no meu Pinterest ou no Facebook.

Sentes que, à semelhança do que se passa na moda, os anos 70 também são tendência no design de interiores?
Há de facto uma tendência para a escolha de uma ou outra peça, como pormenor "chave", para enquadrar num ambiente de base minimalista e neutro,  através de peças de família recicladas ou do redesign em peças contemporâneas, com inspiração nessa época e estilo. Desde mobiliário a padrões, são pormenores que tornam o espaço mais ecléctico e pessoal.
Gosto como apontamentos.


Seguindo redes sociais como o Pinterest ou o Instagram, é possível ver que as paredes têm ganho destaque, nomeadamente com peças decorativas como as tapeçarias. Que achas deste tipo de peça como elemento decorativo?
Dependendo da restante decoração, são peças que coordenadas com tons e materiais adequados, ficam muito "trendy".
Podendo ser conjugadas com molduras e/ou outras peças,  conferem à parede mais personalidade. Adoro!


Na tua opinião, existe um estilo onde estas peças encaixam melhor, ou achas que conseguem ser transversais?
Gosto imenso de as ver em quartos de criança (do bebé ao adolescente), por ser um elemento personalizado, possível de trabalhar a nível de tons, materiais e texturas, tornando-se apelativo e enquadrando-se na decoração. Embora em alguns ambientes e casas mais "cool" faça todo o sentido.


Qual a importância dos têxteis, de uma forma geral, num projecto de design de interiores?
Os têxteis são muitas vezes o ponto de partida para a selecção da restante decoração, através de texturas, padrões e cores, criamos o conceito pretendido e tudo flui até à sua conclusão. A nível de conforto são fundamentais!

Para conhecer melhor e seguir o trabalho da Joana, visitem o site e a sua página de Facebook.
Obrigada Joana!


Boho Babys

21.10.15

O estilo Boho está um pouco por todo o lado de forma transversal, começando na moda e acabando na decoração e claro, os mais pequenos não passam ao lado da tendência. Pelo Pinterest e Instagram desfilam ideias de quartos ecléticos, que misturam estilos de forma ímpar e que conseguem o equilibrio perfeito entre o minimal e o boémio com um toque meio gipsy. Existem alguns elementos que se repetem nestes quartos impecavelmente decorados [e onde até a desarrumação deve sofrer um qualquer styling], entre eles as tapeçarias de parede. Em tamanho XXL, médio e até mini, em tons neutros, pastel ou mesmo coloridos, há de tudo um pouco e eu escolhi três ideias para quem espera um bebé ou anda a decorar os quartos das crianças. Este é um tipo de peça que já tive a felicidade de criar ou fazer por encomenda e que também podem espreitar aqui, aqui e aqui!

créditos fotográficos: 1 | 2 | 3

"Nas nuvens"

20.10.15

Entre umas e outras encomendas, tento sempre criar peças novas, colocar em prática ideias e desenhos ou simplesmente deixar-me ir, numa espécie de free weaving. No fundo e sem me preocupar muito com isso, acho que ainda estou à procura de uma linguagem minha e por isso tenho a necessidade de experimentar coisas diferentes para perceber o que se identifica mais comigo. Esta peça é a mais recente e foi nascendo à medida que ia sendo tecida, sem amarras e numa espécie de meditação alternativa. Se calhar por isso o resultado ficou entre o etéreo e o cremoso, com cores pastel que me lembram um final de tarde de um dia em que o sol tenta romper um céu nublado. 

nome: "nas nuvens"
medidas | 23 cm x 33 cm [mais 20 cm de franjas] 
cores: pastel
materiais: teia em algodão. trama em 4 tipos de fios diferentes

*está disponível


All Roads x Anthropologie

19.10.15




Fundada em 1992, a Anthropologie dispensa para muitos, grandes apresentações. A marca de roupa, acessórios e design de interiores, tem vindo ao longo da sua existência a primar pelas colaborações com diferentes artistas e é sobre uma delas, que gosto particularmente, que trata o post de hoje. Robert Dougherty e Janelle Pietrzak formam o estúdio criativo e de design têxtil, All Roads - sobre quem prometo um post em breve - e que este ano desenharam para a marca este conjunto de peças de tons quentes e texturas apuradas inspiradas nos canyons, desertos e colinas do Sul da Califórnia. Quero tudo!


fotografias | Anthropologie

baby branch weaving

2.10.15

O bebé cá de casa, tem uma nova peça a animar as paredes do quarto. Feita e desenhada por mim, com um tronco apanhado no jardim e inspirada neste editorial da Milk Magazine. É mais uma forma de tecer, utilizando elementos da natureza e que resulta muito bem. Gostam?

You can Weave!

24.9.15

Tecer é divertido, relaxante e tem vindo a conquistar miúdos e graúdos um pouco por todo o mundo. Muitas têm sido as pessoas que me abordam nesse sentido, que experimentam, que procuram dicas, sugestões e claro, que gostavam de ter o seu próprio tear. Com a entrada do Outono, os dias a ficarem mais curtos e mais frescos, as actividades de interior voltam a ganhar expressão e tecer quando o frio começa a querer chegar tem outro encanto - a panóplia de lãs aumenta e a quantidade de combinações possíveis não tem limite. É giro, juro que é! Brincar com o tear é também uma actividade que conquista os mais pequenos, que lhes trabalha a imaginação e os tira da frente da televisão, das Playstations e dos iTodos que existem. Que os faz correr à procura do melhor pauzinho para pendurar a sua obra de arte e os estimula a criar. A pensar em tudo isto e em todos vocês, de hoje em diante vamos ter teares disponíveis, feitos à mão em madeira de pinho, desmontáveis e absolutamente portáteis para os levarem para todo o lado.
Disponíveis no momento temos um tamanho que julgo ser ideal para iniciar esta aventura, quer sejam adultos ou crianças [26cm x 32cm] que produz peças com cerca de 17cm x 22cm, outro ligeiramente maior, que produz peças com cerca de 20cm x 50cm e existe ainda a possibilidade de serem feitos por medida.
Vamos a isto?
You Can Weave!







5 Meses

23.9.15



Uma mão cheia de meses, outra cheia de novidades. A primeira papa, a primeira sopa, a primeira fruta e o primeiro dente. Dias que alternam entre calmos e meio loucos. Metes a minha gestão diária no bolso, dás-me noites fantásticas mas viras-me os dias do avesso e sujas-me religiosamente todas as camisolas, mas és a coisa mais amorosa deste Mundo. Sebastião do meu coração.

Resoluções de Outono

21.9.15



O início de uma estação pode ser a altura perfeita para estipular alguns pequenos objectivos. É segunda-feira, começa o Outono e para mim que ainda tenho as rotinas e os dias de pernas para o ar, parece-me perfeito para tentar dar um pouco de ordem à vida. Pouca, porque com um bebé, sejamos realistas, ter a vida organizada é quase utopia. Mas existem pequenas coisas que queria muito e vai daí, enchi-me de motivação e boas intenções e decidi partilhá-las aqui:

- Começar uma rotina de exercícios (mesmo que não seja diária, três vezes por semana);
- Retomar hábitos de leitura;
- Comer melhor e com mais disciplina horária;
- Desligar de redes sociais, Internet e tecnologias o mais possível ao fim-de-semana;  
- Aproveitar as temperaturas amenas para viver o máximo no exterior;
- Cozinhar. Aproveitar as tardes de fim-de-semana para experimentar receitas docinhas.
- "Destralhar". Limpar o armário de tudo o que não uso, optar por menos roupa e peças confortáveis.

No final da estação, faço o balanço. 

Pendurar memórias

9.9.15


Adoro bonitas decorações de parede, dos prints às tapeçarias, passando pelos macramés e claro, os meus weavings, mas não há wall hanging mais bonito que este! Desde o nascimento do Sebastião que pensava numa forma de pendurar memórias da minha gravidez e dos primeiros meses dele. Pensava num objecto bonito, simples e que tivesse a ver comigo, connosco e com a nossa casa. O suporte estava escolhido desde o dia da Belly Session com a Mariana Sabido - um tronco encontrado naquele dia na praia, esculpido pelo mar, torto mas lindo. Faltava materializar as memórias que queríamos pendurar. Fotografias sabíamos que queríamos, mas como? que formato? quais? Foi aí que entrou a Instalab, a forma perfeita de seleccionarmos e imprimirmos algumas fotografias do meu Instagram, em formato de 10 x 10cm, perfeito para o efeito. Reunidos todos os materiais, o resto foi colocar todo o amor e toda a alma na execução de uma peça tão simples e tão cheia de nós. Difícil mesmo foi escolher sete das vinte fotografias impressas, por isso, optámos por um sistema de molinhas, de forma a podermos mudar sempre que nos apetecer. É um Do It Yourself simples e ao alcance de qualquer um, bonito de se fazer e com um resultado melhor ainda, experimentem!

Materiais:
Suporte
Fio de algodão
Molinhas de madeira
Fotografias Instalab

#wishlist

1.9.15

Chegou Setembro, um mês que gosto particularmente e em que podia muito bem celebrar a passagem do ano, porque pelo menos para mim, Setembro cheira a começar de novo. E para começar de novo, nada como listas: de afazeres, de objectivos, de resoluções e claro, de desejos:

Este macacão da Zara - ( de menina, mas que gosto na mesma para menino!);
Esta mochila - porque já percebi que há sempre mais um boneco ou um biberon para levar;
Fios bonitos para tecer peças bonitas para a estação que se avizinha;
E o boneco mais giro da Maileg.

4 meses

24.8.15

Há dias em que me dás conta da cabeça, das costas e dos braços. Dias em que viras a minha vida do avesso e atiras ao chão todos os planos e expectativas. Mas não passa um só minuto que não me apeteça encher-te de beijos e a tua pequena gargalhada é o melhor deste Mundo.

3 meses

23.7.15

90 dias de ti, de nós. 90 dias de um amor que só mesmo sentindo. 90 dias difíceis de colocar em palavras e de beijos nessas bochechas mais queridas. 90 dias de uma casa virada do avesso mas com cheirinho a bebé. 90 dias de ronha pela manhã e de apertos nesses pezinhos redondos. 90 dias a acertar o meu ritmo ao teu e a sentir o coração bater fora do corpo. Faz hoje 90 dias que a minha vida ganhou todo um outro sentido. Eu quero é ser feliz!

Sling

7.7.15

Como todos os bebés, o nosso também parece que já sabe a lição toda. Com dois meses aprendeu a fazer o beicinho mais querido e começou as operações de charme para o tirarem de qualquer sítio em que esteja enfiado. Horas de colo é o que ele quer e claro, merece, mas nem sempre é possível. Vai daí, decidi experimentar o Sling, por esta mas também por outras razões e relatar-vos aqui a minha experiência. 
Nem sempre corre bem, mas quando corre, corre lindamente e ele adormece ali deitado, tão bem "enroscado" e com um ar de paz que apetece parar o Mundo para não incomodar! Falta de jeito minha ou falta de hábito dele - por não ter começado a usar logo desde o primeiro mês - ao início achei que não íamos a lado nenhum, ele chorava cada vez que o tentava colocar no Sling, eu ficava aflita e estive quase a desistir por agora, com a convicção de que quando se conseguisse sentar ou manter a cabeça e o pescoço direitos ia ser muito mais fácil e ele gostaria muito mais. 
Felizmente não entreguei os pontos assim tão facilmente e de quando em vez vou experimentando e tendo experiências felizes como esta que vos mostro aqui em imagem. Continuo a achar que, por não ter sido habituado logo desde o início vai tirar mais partido do seu uso daqui a uns meses, mas não duvido que foi uma compra indispensável, mesmo que por esta altura não o consiga usar sempre. 
O meu Sling é da Mimi Burnay, que tem uma variedade de tecidos para menino e para menina que se aplica a praticamente todos os gostos, com a vantagem de poderem ainda escolher um porta chupetas ou um babete a condizer! Giro, não?

"trapilho"

30.6.15



Já esteve "na moda" mas acabou por ser vulgarizado ao ponto de ser olhado de esguelha. A mim cansou-me a bijuteria e as malas que pareciam multiplicar-se por todo o lado sem dó nem piedade. Fiquei com "trapilho" pelos olhos e sem capacidade para olhar para este material sem ser de uma forma depreciativa. Mas os anos passaram, a "moda do trapilho" amainou, apareceu a Wool And The Gang com projectos tricotados com este material e mais recentemente, por cá, a Hi-lo Handmade com clutchs e headbands a mostrar o potencial deste fio em tecido que tem ainda a vantagem de existir em inúmeras cores e padrões. Decidi experimentar em tear o seu efeito e gostei da textura que cria e do facto de os fios da teia ficarem visíveis e contribuírem para o desenho da peça. Para além disso, é uma óptima opção para quem é alérgico a lã ou procura uma tapeçaria que ao toque seja "mais fresca". O resultado está aqui!



teepee "village"

26.6.15





Só lhe dei o nome no fim, embora a cada fila que ia terminando me fosse parecendo cada vez mais uma pequena vila de tendas teepee. A ideia era experimentar um ponto novo - o das "tendas" - mas não tinha grande ideia nem tão pouco um esboço da peça, tinha apenas pensado em utilizar só o branco, mas o desenrolar da peça pediu cor - e este lado imprevisível tem o seu encanto -, e um acabamento rústico, algo imperfeito até, que se concretizou na forma como a peça está presa à vareta de madeira que a suporta, com pequenos nós.
Tal como as outras, esta também é uma tapeçaria tecida em tear manual, com 20 x 60 cm (medidos até ao fim das franjas), com a teia (fios verticais que formam a base e que neste caso se transformam em franjas) em 100% algodão branco e a trama em 100% lã de Arraiolos. 
O resultado é uma peça colorida, transversal, que fica linda numa zona social mas também num quarto de criança. Concordam comigo?

2 meses

24.6.15

Dois meses de ti e um livro que é uma festa! Tivéssemos nós mais tempo e aproveitávamos a data para experimentar um dos projectos do livro da Ana que para quem ainda não teve a oportunidade de ver, sublinho, é um must have no que toca a deixar a pequenada e suas mães a rebentar de orgulho em cada festa de aniversário. Passaram dois meses (já!) e a nossa vida tornou-se uma festa, os dias tornaram-se doces como cake pops e coloridos como espetadas de fruta. Daí que o livro da Ana passou a ser uma espécie de manual cá de casa, porque num ano em que temos a maior das razões para comemorar, os dias são sempre a festejar!

Por aqui...

19.6.15

Por aqui a vida vai calma. O Sebastião continua um bebé calmo, que dorme as suas sestas e dá noites, até agora, tranquilas. Isso não quer dizer que não dê trabalho e que não reclame colo, mimo e atenção em doses generosas, porque naturalmente que sim e eu estou de braços abertos sempre que chama por mim. Mas também é verdade que me tem permitido, embora a um ritmo totalmente diferente, continuar a criar as minhas peças, responder a encomendas, ler, pesquisar e ter momentos de pausa. Por estes dias, desenhei e acabei uma tapeçaria para um bar de praia e decidi experimentar um novo material - o tecido de algodão ou vulgarmente chamado "trapilho". Apaguei 35 velas naquele que foi o melhor aniversário até hoje e finalmente pendurei a peça que durante a gravidez desenhei e fiz para o meu bebé. Na próxima semana comemoramos dois meses - eu de mãe e ele de filho - desta aventura que é sempre a somar, sejam momentos, lições, sentimentos ou preocupações. 

Bom fim-de-semana gente boa, nós vamos andar por aqui

"A Minha Festa" - Passatempo

4.6.15
Já lá vai o tempo em que uma festa de aniversário para crianças era uma coisa relativamente simples de organizar. Uma mão cheia de guloseimas, outra cheia de amigos, uma mouse de chocolate e um bolo de aniversário e a festa estava feita e era um sucesso. Mas os tempos mudaram, as festas passaram a eventos e a criançada muito mais exigente e com olho clínico para detalhes. Vai daí, hoje querem festas temáticas, decoração a condizer e dessert tables de levar uma mãe à loucura! 

A pensar nisso, quem melhor sabe do tema decidiu ajudar a simplificar a vida de quem enfrenta este desafio e depois de coleccionar experiências na Save The Date e mais recentemente na To Be Kid, a Ana Coelho Duarte decidiu vir em nosso auxílio e lançar o livro "A minha festa". Nesta espécie de bíblia das festas, estão inúmeros guias com instruções passo-a-passo, dicas preciosas de decoração e truques para poder transformar um objecto banal como uma caixa de fruta, num fantástico suporte de bebidas numa festa piquenique! Mas há mais, tal como pormenores de organização, ideias de como organizar listas de compras, tempos de execução e quantidades tendo em conta o número de convidados. Também não foram esquecidos, os alimentos saudáveis que podem e devem estar presentes nas festas de aniversário dos mais pequenos, lembrando que não é necessário estar tudo carregado de açúcar e farinha.

A pensar em todas as mães à beira de um ataque de nervos porque a festa do mais pequeno se está a aproximar a passos largos, temos um livro para oferecer! Para se habilitarem a ganhar só têm, até às 00.00 do próximo dia 10 de Junho, fazer Like nas páginas de Facebook da Save the Date, da To Be Kid e da W e ∇ v i n g e nomear duas amigas nos comentários ao post sobre o passatempo publicado na página de Facebook, que gostassem de ter este livro. A vencedora é escolhida via Random e anunciada na manhã do dia 11 de Junho. Mais fácil era impossível, por isso, metam as mãos na massa...

Quem quiser ver o livro em primeira mão e conhecer a Ana e a sua energia contagiante, pode aproveitar o fim-de-semana para dar um passeio na Feira do Livro de Lisboa e ir até ao stand da Editorial Presença dia 06 de Junho, das 18.30 às 20.00h e no dia 7 de Junho, das 16.00 às 18.00.

Boa Sorte!











"A Casa da Maria"

27.5.15


A Maria é minha amiga e em comum temos, entre outras coisas, o dia de aniversário, a paixão pela praia e por rumar a Sul. A Maria tem uma casa que tão simplesmente chamou "A Casa da Maria", mas não uma Maria qualquer, a minha amiga Maria, que transborda alegria, que tem uma graça que é só dela e que de sotaque alentejano consegue fazer rir o maior carrancudo! "A Casa da Maria" é a cara dela, mas também a minha e aposto que de muitos mais. Fica em Almadéna, a 7 km de Lagos e a 20 km de Sagres e rodeada das praias mais bonitas e das ondas mais apetecíveis para os amantes do surf. Este refúgio a Sul - para onde eu era capaz de me mudar de malas e bagagens -, e que fica numa das zonas mais bonitas do nosso País, é o sítio perfeito para descansar uns dias e esquecer a cidade e a rotina diária. Situada no largo principal da aldeia, a casa foi adquirida e remodelada em 2012 e é composta por dois quartos - um deles com mezzanine -, casa-de-banho, sala, cozinha com ligação ao quintal e terraço para refeições ao ar livre. Com os termómetros a bater nos 30º graus e a cabeça a sonhar com praia e as próximas férias, pareceu-me o dia ideal para vos deixar esta minha sugestão. Façam o favor de entrar...